«Acompanhe a Fundação AIS, esta semana iremos abordar a “geração perdida”»

* Domingo, 24 de Novembro de 2019 *

“Conheço a guerra desde a barriga da minha mãe.” Santos Tai Gatluk tem 33 anos mas parece muito mais velho. Parece mesmo não ter idade. Vive num campo de refugiados no Uganda mas nasceu no Sudão do Sul. Pertence à chamada “geração perdida”. Nunca soube o que é viver em paz. Por isso teve de abandonar tudo e partir. No campo de Bidibidi, onde vive agora, há milhares de pessoas como Santos Gatluk. Esta é uma das histórias que vamos desenvolver no programa de rádio desta semana da Fundação AIS.

Ajuda Igreja Que Sofre – Domingo entre as 12H e as 13H, nos dois canais do Posto Emissor do Funchal.